Publicidade:

11 3399-4200

Início         Perfil          Edições         Kit Mídia          Calendário Editorial          Assinatura          Contato

CLICK NA CAPA E ACESSE

NOSSA EDIÇÃO !

 

SOLICITE UMA PROPOSTA

DE PUBLICIDADE

 

11 3399.4200 - 9 7553-3000 (Whatsapp)

 

OU ATRAVÉS DE NOSSOS EMAILS:

 

editor@revistaconstrutores.com.br

 

comercial@revistaconstrutores.com.br

 

37 ANOS DIVULGANDO INFORMAÇÕES DO SETOR...

Case IH traz ao Brasil primeiro trator autônomo do mundo

 

Conceito, que representa uma visão do futuro da agricultura, trabalha sem operador e é controlado via computador ou tablet

 

A Case IH, uma marca da CNH Industrial, apresenta, pela primeira vez no Brasil e em toda a América Latina, o seu trator autônomo conceito. Com mais de 300 cv de potência, a máquina é baseada no modelo Magnum, mas tem visual futurista, sem cabine, e executa as mesmas tarefas de um trator convencional, sendo controlada remotamente por um tablet ou computador.

“Com o nosso trator autônomo conceito, mostramos hoje como poderá ser a agricultura do futuro. E nada melhor do que ter esse próximo passo aqui no Brasil, país que é uma das maiores potências agrícolas do mundo”, afirma Mirco Romagnoli, vice-presidente da Case IH para a América Latina.

O trator autônomo é a sequência do plano futuro da Case IH. “Nosso conceito representa muito bem o que a tecnologia autônoma pode fazer. E logo daremos sequência no nosso planejamento, com testes e investimentos em outras máquinas. Realmente caminhamos para a autonomia”, completa Gonzalez.

 

EDIÇÕES ANTERIORES

CLICK E ACESSE

Confira os resultados

Fórum INFRAROI de concretagem produtiva

Concretagem produtiva requer melhores controles no processo

 

Com a adoção de telemetria e novas tecnologias, especialistas apontam como melhorar o processo de transporte do concreto da usina até o local para seu lançamento na obra.

 

Como tornar o processo de concretagem mais eficiente, que resulte na execução de estruturas que tendam às especificações de seus projetos, a custos competitivos? Para responder a esta pergunta, profissionais de construtoras, de empresas de concretagem e fornecedores de equipamentos e demais insumos para essa cadeia produtiva participaram, em São Paulo, do Fórum InfraROI de Concretagem Produtiva.

Com relatos baseados em suas respectivas experiências profissionais, os especialistas constataram que esse setor ainda tem muito a evoluir. Problemas logísticos para a entrega do concreto (principalmente nos grandes centros urbanos, onde o tráfego intenso e as dificuldades de acesso ao local de concretagem dificultam ainda mais a operação), falhas na programação da concretagem ou na especificação do traço do concreto figuram entre os desencontros mais usuais. Mas não são os únicos.

“Para um negócio que depende fundamentalmente do caminhão betoneira para a entrega de sua produção, o setor precisaria ter um controle rigoroso sobre a produtividade desse equipamento em suas operações, mas não é isso que verificamos na prática”, afirma Carlos José Mussacato, executivo da Intercement, um dos gigantes na produção de materiais para construção, com 40 fábricas de cimento espalhadas por oito países do mundo, além de 130 centrais de concreto e dezenas de unidades para a produção de brita

Click e leia mais

DESTAQUE

 

Entrevista empreendedores de sucesso!

 

Engº Sergio Russo e Engº Rangel Lage

 

ARGAMASSA: FATOR ESSENCIAL NA OBRA ESTRUTURAL

 

A argamassa tem funções importantes no sistema, como permitir um apoio uniforme e aderência entre os blocos, função na resistência ao cisalhamento e tração, função de vedação do sistema, absorver pequenas deformações naturais e boa resiliência. Argamassas muito fracas conferem baixa resistência a parede, e argamassas muito fortes tem baixa capacidade de absorver deformações. A resistência da argamassa indicada é de 70% da resistência do bloco.

 

Confira a entrevista completa - Seção Engenheiros

ABDI E INMETRO FECHAM ACORDO PARA CIDADES INTELIGENTES BRASILEIRAS

 

“As cidades brasileiras começam a passar por uma revolução. Não existirão mais as metrópoles do jeito que conhecemos hoje. Somente na América Latina existe um potencial de mercado de US$ 1 trilhão”, revela Guto Ferreira, presidente da ABDI

“É um processo que está começando no Brasil e no mundo, mas é irreversível. Quanto mais acelerarmos o processo, melhor será a qualidade de vida das pessoas e mais eficaz será a administração pública”, explica Guto Ferreira, presidente da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI).

CONSTRUTORES NO MUNDO

Editora Paulista - R. Tenente Otávio Gomes, 234   1º andar  Aclimação  São Paulo  SP

Tels: 5511 3399 4200  |  3804 5607 | 3804 5608 | 3892-5469  e-mail:   editor@revistaconstrutores.com.br